Bacurau

Bacurau – MotelX 2019

11 Setembro, 2019 2 Por Maria da Luz Pinheiro

Bacurau  – de Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles

 

Os dois realizadores trazem ao MotelX 2019 o filme galardoado com o Prémio do Júri no Festival de Cannes deste ano.

Tratando um mundo distópico (ainda que com muitas referências ao real), as personagens habitam uma aldeia fictícia com o nome Bacurau, um local remoto no interior do Brasil, de difíceis acessos e que praticamente não é visitado por ninguém.

Bacurau

Bacurau

Clique para Visitar


A população sem acesso a água potável, nem a medicamentos, embora tenham a uma médica, a Sra. Domingas (brilhante papel de Sónia Braga), vive com o que a terra lhe dá.  A terra e o que o Prefeito da região em campanha eleitoral lhes concede, como livros velhos e alimentos fora de prazo.

Em contraste, dispõem de alguns exemplares de novas tecnologias, como alguns telemóveis, tablets ou o computador na miniescola, que pretendem dar-lhes a falsa noção de pertencerem a um Brasil que os estima, quando na realidade – acabam por perceber – nem constam dos mapas.

Bacurau

Bacurau – Udo Kier e Sónia Braga

As generosas ofertas Prefeito passam também em dado momento, o momento no tempo da pacífica comunidade em que a morte passa a ser uma constante, pelos muito úteis caixões.

O momento é quando começam a aparecer corpos de gente da aldeia brutalmente assassinada. Os hediondos crimes são da autoria de um grupo de norte americanos de extrema direita, que se instalara nas proximidades de Bacurau. O grupo fortemente armado, munido de drones e chefiado por Michael (Udo Kier), mata indiscriminadamente, com o objetivo de esvaziar as terras.

Kleber Mendonça Filho cria um universo em que o Brasil é dominado por negócios suspeitos com os Estados Unidos da América, que passam pela dizimação das minorias étnicas e indígenas e no qual os outsiders matam indiscriminadamente e sem pudor, motivados por interesses financeiros pouco claros.

Bacurau

Bacurau – Bárbara Colen

O aumento das mortes e o fatal esvaziar das famílias acabam por provocar a união da comunidade que munidos de pistolas, caçadeiras e catanas e com a ajuda de uma planta “medicinal” e alucinogénica que mascam, se mobilizam para responder aos assassinos, decididos a usar da mesma crueldade de que têm vindo a ser vítimas.

Bacurau

Bacurau – Silvero Pereira

Teresa, (Bárbara Colen) que nos introduz na pequena aldeia, usa um pendente com uma serpente, exemplificando a relação que estas comunidades hoje ainda mantêm com os animais ofídicos e Lunga usa um pendente com uma figa que chegou ao Brasil pela cultura Iorubá e que representa a contenção da energia sexual feminina.

Sónia Braga dedicou a sua prestação à falecida Marielle Branco, que teve também a homenagem dos realizadores dando o nome a uma das personagens falecidas e as minorias, ficam também representadas na personagem Lunga (Silvério Pereira) – que encarna características masculinas e femininas, trajando roupas que não definem um género.

Bacurau, após Aquarius, de Kleber Mendonça Filho, apresenta uma proposta nova para o cinema brasileiro e um grito para a indústria em geral.


Bacurau no IMDB

Segue-me

Maria da Luz Pinheiro

Licenciada em História de Arte pela Faculdade de Letras de Lisboa. Apaixonada por histórias contadas na imagem, literatura do século XIX e artes decorativas. Defensora da liberdade no mundo da arte.
Maria da Luz Pinheiro
Segue-me

Latest posts by Maria da Luz Pinheiro (see all)

 
O que vamos publicando.Receba ao sábado de manhãzinha no seu email, um resumo dos nossos artigos da semana. (Não enviamos SPAM)
Artes & contextos

GRÁTIS
BAIXAR