How Blade Runner Captured the Imagination of a Generation of Electronic Musicians

Como o Blade Runner conquistou a imaginação de uma geração de músicos eletrónicos

25 Novembro, 2019 0 Por Artes & contextos

O impacto de Blade Runner na música eletrónica

“Sinto que há ‘Antes de Blade Runner’ e ‘Depois de Blade Runner'”, diz o diretor Denis Villeneuve. “O filme foi como um marco na estética da história do cinema.”

A citação vem desta promoção da FACTmagazine lançada antes da sequela de 2017 Blade Runner 2049 de Villeneuve, que analisa o impacto que a banda sonora teve nos filmes de ficção científica e na música eletrónica, bem como o quanto toda a sua estética ecoou nos anos 90 e seguintes.

 

O compositor Vangelis e o diretor Ridley Scott já tinham trabalhado juntos num anúncio da Chanel, e o compositor achava que a opção de usar a sua música era “corajosa”, de acordo com Villeneuve. Alguns anos mais tarde, Vangelis seria convidado a compor a banda sonora do filme, o que ele fez, improvisando sobre as cenas, nas filmagens.

Os redutores apontavam o Lexicon 224 Reverb, uma ótima unidade de efeitos analógicos, bem como a “besta”, o Yahama CS80, que muitas vezes iria desafinar. (Veja o Perfect Circuit no YouTube a experimentar alguns dos seus recursos).

“A melhor altura em que (o sintetizador) encontrou a sua voz foi neste álbum”, diz o músico Kuedo.
O documentário ainda entrevista Tricky, Gary Numan, Ikonika, Abayomi, Clare Wieck, Kuedo, Stuart Braithwaite, de Mogwai, e o produtor musical Hans Berg, e todos reconhecem que Blade Runner entrou intencional ou subliminarmente na sua obra. Ikonika até chama ao seu alter-ego musical um ” Replicant”, com base nos andróides do filme. Mas o filme foi para ela um aviso: ” O futuro estava à vista e seriam os anos de glória”, diz sobre o início dos anos 80. E “a partir daí, do Blade Runner foi como se,  depois disto, vai mesmo acontecer”.

A banda sonora passou a ter sua própria série de relançamentos, do mesmo modo que Scott lançou o Diretor’s Cut do filme.

Para começar, nunca foi lançado como álbum até 1994. Imediatamente os bootlegs apareceram a recolher muito mais do total do filme.

Em 2002, a melhor delas, a “Esper Edition“, lançou 33 faixas da banda sonora. (E há mais uma “Retirement Edition” da “Esper” que anda por aí.)

Blade Runner - Esper Edition

Blade Runner – Esper Edition

Clique para Visitar


Depois, em 2007, a Universal Music lançou uma edição comemorativa dos 25 anos, com um álbum extra com músicas compostas para o filme e um outro com “nova” música que Vangelis teria composto para o lançamento.

Tudo isto é trabalho muito querido e apreciado pelos fãs.

Agora que chegamos ao mês retratado no filme, e Los Angeles não se parece exatamente com a cena de abertura (fumo e fogo, sim; a chuva, não tanto), é tempo de analisarmos a sua visão distópica.

Como diz o músico Kuedo, “Quase 40 anos depois ainda o perseguimos, mas ele continua à nossa frente”.

Nota: Villeneuve escolheu Hans Zimmer, o preferido de Christopher Nolan, para compor a banda sonora da sequela, em colaboração com Benjamin Wallfisch… ambos, escolhas muito mais seguras do que Vangelis.

 

O artigo original How Blade Runner Captured the Imagination of a Generation of Electronic Musicians foi publicado @ Open Culture

The original article How Blade Runner Captured the Imagination of a Generation of Electronic Musicians appeared first @ Open Culture

Este artigo foi traduzido do original em inglês pela Redação Artes & contextos

Artes & contextos

Assinados por Artes & contextos, são artigos de múltiplos autores, ou republicações de artigos de outras publicações e autores, devidamente identificadas e (se existente) link para o artigo original.
 
O que vamos publicando.Receba ao sábado de manhãzinha no seu email, um resumo dos nossos artigos da semana. (Não enviamos SPAM)
Artes & contextos

GRÁTIS
BAIXAR