Autor: Artes & contextos

Assinados por Artes & contextos, são artigos de múltiplos autores, ou republicações de artigos de outras publicações e autores, devidamente identificadas e (se existente) link para o artigo original.
30 Janeiro, 2020 0

Tons de néon pintam poças de Água da Chuva, por Slava Semeniuta

Por Artes & contextos

O artista e fotógrafo russo Slava Semeniuta, retoca fotografias digitais de poças de água, para criar composições vibrantes. Cada cor do espectro luminoso é refletida em néon na superfície lisa da água enquanto ela cai e se acomoda sobre o asfalto. A visão macroscópica das ruas molhadas cria um sentimento cósmico para cenários terrenos vulgares.

21 Janeiro, 2020 0

“The Way To The Sea” de Zed1 em Vicenza, Itália

Por Artes & contextos

A ilustração “The Way To The Sea” criada para este mural celebra a vida e a pesquisa da felicidade através do entusiasmo e da propensão para nos encontrarmos a nós mesmos. Uma jovem segura uma garrafa junto ao peito, como a garrafa largada no mar, com uma mensagem que retrata o seu rosto e o mundo ” desejado “.

17 Janeiro, 2020 0

Michael Lindsay-Hogg, qualquer semelhança…

Por Artes & contextos

Sem defender o “culto do erro”, para Michael Lindsay-Hogg a falta de formação pode reverter a seu favor. Basta “deixar o erro [de onde pode sair a verdade] funcionar”, conforme a máxima de Francis Bacon – o filósofo. E o artista possa “falhar novamente” mas “falhar melhor”, como postulava Samuel Becket.

16 Janeiro, 2020 0

Os Sons Místicos dos Gongos Gigantes

Por Artes & contextos

Um toque suave no Gongo pode fazer com que o metal vibre e se alimente a si mesmo. O uso de um maço menor produz sons semelhantes aos de uma baleia. É fascinante que algo tão grande possa fazer uma variedade tão impressionante de tons, e reagir a tal delicadeza. (Já agora, ouça com auscultadores ou um bom sistema de som).

14 Janeiro, 2020 0

Angélique Lefèvre Apparition fantomatique

Por Artes & contextos

Em Angélique, é sobretudo a precisão de execução que se destaca. Não se trata de “entender” a obra. Bastará percebê-lo, agarrá-lo, senti-lo, falar-lhe com uma voz suave, inocente e clara, tocar-lhe com modéstia, mergulhar nele com suavidade. A brancura é omnipresente, bem como o seus aspectos translúcidos. É um belo horizonte, é um pássaro no ar, é luz.